Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Por exemplo a Mente

Por exemplo a Mente

Indicações

por Gustavo Castro, em 01.12.14

Como viver no presente? Mais importante ainda, como lidar com as experiências de que não gosto? Bem, a primeira coisa que precisam de fazer e que eu já referi no post anterior é que precisam de definir objetivos. É muito mais fácil entenderem o que vos está a acontecer agora se souberem quais são os vossos objetivos do que se estiverem completamente à deriva.

A segunda ideia e a mais importante para nós conseguirmos viver no presente é entender que tudo aquilo que nos está a acontecer é efetivamente para o nosso bem. Mas mais uma vez, é muito mais fácil perceber que algo é para o nosso bem quando sabemos quais são os nossos objetivos do que quando não sabemos. Muito simplesmente porque se eu souber qual o caminho que quero seguir é muito mais fácil entender que os desvios que vão surgindo ao longo do caminho me irão igualmente conduzir ao meu destino e não vou pensar que são mais um azar nos muitos que já tive ao longo da vida. Esta ideia é basilar para conseguir viver no presente e desfrutar verdadeiramente dele, pois se eu sentir que tudo o que me vai surgir no caminho é para me ajudar, vou aceitá-lo sem qualquer resistência. No fundo é acreditar que tudo vai dar certo.

E eu sei que agora devem estar a pensar coisas como: "Sim, isto é tudo muito giro e maravilhoso, mas então quer dizer que quando alguma coisa má acontecer que eu nao estava á espera eu tenho que interpretar isso como uma coisa boa?", " Mas então se eu estiver muito bem na minha vida e alguém me incomodar tanto que eu não consiga acalmar-me, a culpa é minha ?".  É obvio que nós não somos o Spock do Star Trek, e não vamos conseguir responder a todas as situações usando a razão. E quando isto acontecer só temos que avaliar as consequências, para ver o que acontece quando reagimos de uma forma negativa ao presente. Mas, e esta é a parte mais importante de todas, é que todas as coisas que nos acontecem são para o nosso bem, mas às vezes vem com uns disfarces que nos testam a paciência. E a melhor parte (ou pior parte, depende da perspetiva) é que elas vão continuar a surgir até nos apercebermos e aprendermos. Mais uma vez, pensem nestas situações não como becos sem saída mas como desvios que vão enriquecer ainda mais o caminho.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Favoritos