Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Por exemplo a Mente

Por exemplo a Mente

No início

por Gustavo Castro, em 11.11.14

Foi difícil começar a escrever e conseguir parecer natural. Reescrevi este post uma infinidade de vezes mas só agora é que consegui não parecer uma espécie de manual de instruções de uma máquina de calcular. Sei que num primeiro post se deve explicar o propósito do blog, por outro lado, o título fala por si.

Bem, a mente... todos temos uma. Ou pelo menos é o que se diz por aí. Mas saber usá-la é um mistério que nos ilude há já muito tempo. Uns, acham que a mente é uma espécie de despensa para armazenar conteúdos como se nos estivéssemos a preparar para um inverno muito rigoroso: pensam ser os maiores pensadores do século por serem as únicas pessoas a saber a que horas é que D. Afonso Henriques aliviava a bexiga. 

Outros, não lhe ligam grande coisa, não entendem muito bem o que ela é e como acham que só serve para se recordarem de alguns comandos básicos de sobrevivência só a usam em casos de extrema necessidade. Outros ainda, procuram explorar ao máximo os meandros da mente porque acham que só raciocionando sobre quem são 24h por dia é que vão conseguir atingir a plenitude do conhecimento acerca da  sua mente: o que acabam por descobrir é uma excelente maneira de acabar num hospício vestido com um casaco branco a berrar a um jarro de flores para sair da frente da janela.

Obviamente, no meio de todo este espectro, existe uma série de nós que tenta manusear a mente como se estivéssemos a fazer malabarismo com facas. De início temos medo de cometer um erro e acabar sem um braço, mas também nunca fomos ensinados a parar as facas em segurança e continuamos o malabarismo.

Dentro desta fração, alguns percebem que malabarismo com facas é uma atividade bastante perigosa e que até nem gostam assim tanto daquilo e começam por acreditar que é possível parar e mudar para outra coisa qualquer que não envolva atirar objetos perigosíssimos ao ar e apanhá-los com as mãos. Começam por isso por deixar cair a primeira faca e nada de mal parece acontecer. Deixam cair a segunda: Carmo ainda nao caiu. Deixam cair a terceira. A Trindade também nao caiu. Por fim, a quarta faca cai. E o Carmo e a Trindade não caíram e eles sentem-se livres, percebem que a mente serve para nos servir a nós e vão à sua vida enquanto os outros todos ficam a olhar para eles a tentar entender com é que aquilo é possível.

Eu não faço ideia onde estou neste espectro, neste momento, mas acredito que estou a começar a entender que posso largar as facas. Este espaço vai ser sobre este caminho, e como me parece que eu vou andar a fazer umas coisas engraçadas e a espetar facas em sitios que não devo, achei interessante escrever sobre isso para se rirem e aprenderem comigo.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Favoritos